Michele Toardik

Michele Toardik de Oliveira, 38 anos, é advogada, mãe, sócia ininterrupta há mais de uma década e obsessivamente apaixonada pelo Furacão. Contrariou as imposições geográficas, tornando-se a mais atleticana de todas as "fluminenses". É figurinha carimbada nas rodas de resenha futebolística, tendo como marca registrada a veemência e o otimismo incondicional quando o assunto é o nosso Furacão.

 

 

Bom moço

26/08/2014


Tenho sérias restrições com os reis do fair play. Esses caras super humildes, bem intencionados demais, que não perdem a linha, que não saem de cima do muro, que passam por média, que não são ousados e que nos desarmam com a sua “fofice”.

Afinal de contas, quem é louco de detonar alguém assim?

É impressionante, mas esse “tipo” tem o dom de elevar a nossa tolerância a níveis estratosféricos e nos tornar cegos diante do óbvio.

O cara pode ser um tiriça daqueles, mas se for “família”, demonstrar esforço, não gostar de balada, for humildão nas coletivas e cair nas graças do “Professor”, vira intocável e ninguém mais tira do time.

No entanto, pior do que jogador bom moço é técnico nessas condições...

E o Doriva se encaixa perfeitamente nessa definição, de modo que o seu histórico, a postura de queridão, educado e trabalhador, conseguiu disfarçar por um bom tempo o mal que ele vinha fazendo para a nossa equipe.

Por mais que discordássemos das suas escalações, mesmo reconhecendo a falta de padrão e até a insistência num esquema tático que não deu certo, ainda assim ficávamos cheios de reservas para criticá-lo proporcionalmente.

Perdendo ou empatando, era só ouvir o técnico que nos sentíamos conformados e quase culpados por almejar algo mais.

Acontece que o Doriva extrapolou na bondade com os outros times e, inclusive, tirando a titularidade do nosso artilheiro no ano, o que lhe custou o cargo! Aliás, só assim mesmo, porque se tivesse sido um pouquinho mais discreto nas bizarrices, certamente teria adiado a sua rescisão.

Chega de “Hoje não deu”, “Nós tentamos”, “Vamos trabalhar mais”...

O certo é que o Atlético não está nesse campeonato pra fazer amigo! Por isso, foi preciso meter o pé no técnico mocinho pra colocar no lugar dele alguém que já demonstrou poder contribuir para a evolução desse time, mesmo com as deficiências que alguns setores apresentam.

Se o Leandro Ávila é bom moço, isso eu já não sei. Mas um bom técnico isso ele já demonstrou que é! Isso é o que realmente importa...


Compartilhe via   Twitter   Facebook  




Este artigo reflete as opiniões do autor, e não dos integrantes do site Furacao.com. O site não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações. Escreva, diretamente, ao colunista por meio do formulário abaixo:

Nome:
Idade:
E-mail:
Cidade:
Estado:
País:
Mensagem: