Furacao.com
Notícias

Entrevista | quinta-feira, 16 de dezembro de 2004, 21h20

"O Marcão do Atlético"

Por: Furacao.com

Foto Destaque

"Será o jogo das nossas vidas", afirma Marcão

Quando o Atlético anunciou a contratação do lateral-esquerda Marcão, do Juventude, nos primeiros dias de 2004, poucos poderiam imaginar o sucesso que ele teria na equipe. De lateral, Marcão passou a zagueiro. De aposta, passou a ídolo da torcida. Revelado no Coritiba, ele nunca deixou que esse fato manchasse sua passagem pelo Atlético. "Não tenho vínculo nenhum com o Coritiba", afirma, com total segurança. Sua família virou atleticana e continuará mesmo se um dia ele deixar o Atlético, garante.

Marcão se firmou como um dos principais jogadores do Atlético neste Campeonato Brasileiro. Logo depois que passou a jogar como zagueiro, o time engatou uma série invicta de 18 jogos. Com atuações destacadas, ganhou a confiança e o respeito da torcida. Sua característica mais admirada é a raça. "Não gosto de perder", diz. Costuma passar noites em claro depois de derrotas.

A última semana não foi boa para Marcão. A derrota para o Vasco tirou a liderança do Atlético e dificultou a trajetória da conquista do título brasileiro. Mas ele não desiste nunca. Tem certeza que o título será conquistado no domingo. "Deus está preparando algo muito bom para a gente. Podem confiar", afirma Marcão. "Será o jogo de nossas vidas", diz, sobre o jogo contra o Botafogo. Confira a entrevista completa:

Se alguém perguntasse para você em que posição você joga, o que você responderia?
Zagueiro. Se precisar, é lógico que eu voltaria a jogar na lateral. Mas vou ser bem sincero, prefiro jogar de zagueiro.

Você se sentiria em condições de jogar como zagueiro mesmo em um formação com apenas dois zagueiros, como o 4-4-2?
Eu já joguei assim. No jogo contra o Coritiba, a gente estava perdendo de 1 a 0 e o Levir tirou o Marinho. Ficamos eu e o Rogério Corrêa, e o time melhorou. Não por causa da saída do Marinho, mas porque ficou mais ofensivo e naquele momento nós precisávamos ir para cima. Com isso, a marcação adiantou e conseguimos virar aquele jogo. Então, eu já joguei com dois zagueiros e não vi problema nenhum.

Você lembrou do clássico Atletiba pelo segundo turno do Campeonato Brasileiro e não podemos deixar de lembrar que você começou a carreira no Coritiba. Apesar disso, parece que você não chegou a criar muitos vínculos por lá. É isso?
É verdade, eu não tenho vínculo nenhum porque eu não tive oportunidade lá, joguei duas ou três partidas profissionalmente.

Mas dá uma motivação extra jogar contra o Coxa?
No fundo, no fundo, dá sim. Se eu falar que não, é mentira. Naquele Atletiba fazia cinco anos que o Atlético não ganhava no Couto Pereira e nosso time não estava legal. Não estava conseguindo marcar, não estava conseguindo deslocar. O gol que eles fizeram serviu para abrir nossos olhos, nós não podíamos perder aquele jogo de jeito nenhum. Então, conseguimos virar o jogo. Pelo amor de Deus, ali foi, para mim, uma coisa divina.

Como foi a reação de seus parentes e amigos quando você foi contratado pelo Atlético?
Eles adoraram. Tenho vários amigos coxas-brancas e eles já sabem que eu não aceito brincadeiras com isso. Então, aqueles que tentaram tirar sarro, já levaram uma invertida.

E a sua família, torce para qual time?
Quando eu jogava no Coritiba, eles iam aos jogos, mas não eram coxas. Hoje, não porque eu estou jogando, mas meus irmãos só andam com uniforme do Atlético e, se eu sair do Atlético, pode ter certeza de que vão continuar atleticanos. Aliás, eles já são atleticanos.

"Não gosto de perder"

Por ser de Curitiba, você certamente já conhecia a estrutura do Atlético. Como foi a experiência de jogar no clube nesta temporada?
Sabia da estrutura e sabia da cobrança da torcida. No ano passado, um empresário me sondou para vir para o Atlético. Eu recusei porque estava machucado e já tive a experiência de ir para o Bahia machucado. Você acaba fechando uma porta porque acaba não rendendo bem. Então, quando deu certo de eu vir para cá, eu quis me preparar bem fisicamente para que quando eu entrasse, desse conta do recado. Mas no coletivo da sexta-feira antes do jogo contra o Prudentópolis, na estréia do Paranaense, o Ivan se machucou e eu tive a oportunidade de jogar. E na estréia você não sabe o que vai acontecer porque você não tem o entrosamento necessário. Nós viemos de uma pré-temporada muito forte e graças a Deus deu tudo certo, fiz o gol na estréia e isso que me deu confiança para o resto do campeonato.

Você acha que se identifica com a torcida do Atlético por esse negócio da garra, da raça?
Esse é o meu estilo. Eu não sei perder, não gosto de perder, eu fico pensando no jogo depois. Quando eu perdi o Paranaense, eu fiquei duas noites sem dormir. Logo depois, veio aquele jogo contra o São Paulo, em que perdemos e depois teve o Figueirense, que nós perdemos de três. Aquela semana foi terrível. Então, a garra é algo natural para mim, é uma das minha características.

Neste Brasileiro, o Atlético jogou no Serra Dourada praticamente vazio e várias vezes na Baixada lotada. É diferente jogar em um estádio vazio ou lotado?
Olha, lá no Serra Dourada dava para a gente escutar os batimentos cardíacos durante o jogo (risos). Agora, na Baixada é diferente. Não tem como falar que não comove. Para mim, o apoio da torcida é um negócio que me faz correr, coisa que lá no Serra Dourada não aconteceu. Por isso que todos os times sabem que é difícil jogar na Arena. A torcida faz a diferença, incentiva o jogador, que não tem como não correr.

Alguns árbitros confundem a sua força de vontade com jogo desleal. Neste Brasileiro, você foi o jogador do Atlético que mais levou cartões. Isso é uma coisa que incomoda?
Eu nunca tomei tanto cartão na minha vida. Até me segurei no último jogo contra o Vasco para poder jogar contra o Botafogo. Vou ser sincero, não sei se é contra jogador do Atlético, mas desses 14, uns 8 eu mereci. Os outros, não. Eu falo porque eu fico pensando nas faltas que fiz para tomar o amarelo. Eu não sou um jogador violento, se você for ver, levei poucos amarelos no Paranaense. Não sou um jogador violento, não sei bater.

Como é a sensação de assistir a um jogo de fora, quando você está suspenso?
Eu assisti contra o Flamengo na Baixada e virei torcedor mesmo. Cheguei a xingar a torcida do Flamengo (risos).

"Segurei o choro na hora que nós fizemos o gol"

Xingou o time também?
O pior é que escapa, não vou dizer que não porque quando você é torcedor você entra no clima. Contra o Flamengo o nosso time não estava fazendo por merecer. Quando empatou, comemorei muito porque, para mim, àquela altura um empate já estava bom. Na hora que virou, aos quarenta e poucos, eu cheguei a xingar a torcida do Flamengo, que nem torcedor. Depois teve o jogo contra o Fluminense, que eu assisti pela televisão. Na hora que o Fernandinho fez o gol aos 48', pelo amor de Deus, eu vibrei muito.

E jogando, qual foi o momento mais emocionante deste Campeonato Brasileiro?
Com certeza foi o Atletiba, mas também esse jogo contra o São Caetano. Eu segurei o choro na hora que nós fizemos o gol. Eu via a galera, eu via a minha esposa na arquibancada e eu comecei a chorar.

E o momento mais triste foi o jogo contra o Grêmio?
Olha, eu não senti tanto nem pelo 6 a 0, nem pelo 4 a 1 contra o Criciúma. Lógico que é doído você tomar 6, mas é um acidente de percurso e a gente sabia que não ia mais acontecer. Mas esse 3 a 3 foi doído, fiquei duas noites sem dormir. Na terça-feira depois do jogo nós tivemos uma conversa com o Levir, em que ele chamou nossa atenção, mas de forma positiva, nos incentivando e chamando a atenção para os nossos erros.

Os jogadores comentaram alguma coisa depois do jogo?
Foi uma chateação só. Eu posso falar que, se por acaso nós perdermos esse título, eu não vou me perdoar de jeito nenhum pelo jogo contra o Grêmio. A gente fica revoltado quando somos prejudicados e nesse nós fomos prejudicados por nós mesmos. Com o Paraná e com o Juventude foi diferente. Contra o Juventude, estávamos ganhando de 3 a 1, mas no segundo tempo o Juventude fez por merecer o empate e mereceria até virar. Contra o Paraná, nós fizemos 1 a 0 e eles também tiveram o mérito de empatar. Agora, o Grêmio não estava pressionando o nosso time. Eles cruzaram duas bolas na área e fizeram dois gols, só isso. Se eles estivessem pressionando o nosso time, eu falaria que eles mereceram, mas não mereceram.

Você disse que depois do jogo contra o Grêmio, o Levir reuniu o time e levantou o astral do grupo. Você não acha que agora, depois da derrota contra o Vasco, não é preciso que seja feita a mesma coisa?
Agora o Levir não precisa nem falar nada porque não tem outro jogo. Todos nós jogadores temos que colocar na cabeça que é o jogo da nossa vida. Não depende só da gente, mas seria muito trágico se o resultado de lá ajudasse e nós não fizéssemos a nossa parte. Queira ou não queira, nós temos que fazer a nossa parte, independente se nós vamos ser campeões ou não. Até para sair com dignidade. Nós temos que terminar o campeonato bem e daí sim pensar que se o outro jogo nos ajudar, melhor. Eu estou muito confiante que o Vasco vai tirar pontos do Santos.

"Quero conquistar títulos no Atlético"

Como se explica essa derrota do Atlético para o Vasco? Faltou preparação?
Não. Nós conversamos antes do jogo que tínhamos 90 minutos para ganhar o jogo. Então nós não podíamos ter tomado o gol e o único jeito de tomarmos o gol era de bola parada. Nós chamamos a atenção para isso, mas acabamos levando o gol. Se nós não tivéssemos tomado esse gol, teríamos ainda uns 30 minutos para tentar fazer um, íamos ter tranqüilidade. A partir da hora em que tomamos o gol, nós teríamos que fazer dois, porque um empate ou uma derrota ia dar no mesmo. A diferença é essa: se nós não tivéssemos tomado o gol, íamos ter tranqüilidade; depois bateu aquele desespero, aí acaba não saindo.

Quais as chances que o Atlético tem de conquistar o título?
O Santos vai pegar o Vasco em casa e o Vasco já não almeja mais nada, mas tem sempre que ter esperança. Na segunda-feira, eu falei para o Rodrigo (Sell, jornalista), da Tribuna, que não adianta a gente torcer por um resultado lá e não fazer a nossa parte. Nós temos que fazer a nossa parte em casa, depois torcer por um resultado lá.

De tudo o que aconteceu nesse jogo contra o Vasco, é possível tirar uma lição?
Eu gostei muito de uma coisa. Na hora em que nós chegamos, havia vários torcedores no aeroporto. Isso é o reconhecimento. Isso com certeza mexeu com o grupo, foi um incentivo depois da derrota, é um reconhecimento do seu trabalho de que você tentou, lutou.

Quais são seus planos para o futuro?
Renovei com o Atlético até final de 2006, o que me dá tranqüilidade. Eu quero conquistar títulos, de preferência este Brasileiro agora porque perder um título faltando duas rodadas é doído. Você saber que tem 44 rodadas no próximo ano para chegar a algo que estava tão perto... Mas no ano que vem temos a Libertadores também e acho que o Atlético já tem mais experiência, aprendeu com os erros do passado. O pessoal está se preparando desde já. Acho que por tudo o que tem, o Atlético vai estar sempre disputando títulos, mais cedo ou mais tarde vai chegar, é time grande. Os caras estão desmerecendo agora o Atlético para tentar nos desmoralizar. Mas todo mundo sabe que o Atlético tem um CT que, se não é o melhor, é um dos melhores. Todo jogador tem vontade de jogar no Atlético, todo mundo sabe disso.

Daqui a uns dez anos, se alguém for falar de você como jogador, como você gostaria de ser lembrado?
Com certeza, como o Marcão do Atlético. Não é para fazer média, mas eu sempre tive vontade de jogar aqui. Graças a Deus eu estou muito bem aqui. Confesso que teve uma época no começo do Brasileiro que eu não estava bem, foi naquela fase de transição dos técnicos. Mas graças a Deus eu consegui voltar a jogar bem e gostaria mesmo de ficar marcado no Atlético.

Facebook  

Matéria do site Furacao.com:
http://www.furacao.com/materia.php?cod=11631

© Furacao.com. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida desde que citada a fonte.

Desde 1996 - Furacao.com - Site 100% não oficial - Agência Active